ITER – Montaña Pelada

INFORMAÇÃO

GERAL

ITINERÁRIO

ZERO CO2

INFORMAÇÃO

PRÁTICA

SEGURANÇA E

EQUIPAMENTO

O VIAJANTE

RESPONSÁVEL

DESCARGAS

E RECURSOS

Percurso da rota

01

saída

Instalações do ITER

  • Centro de visitantes e passeio tecnológico

A rota começa com a visita ao centro de visitantes e ao passeio tecnológico do ITER. Se faz-se de forma guiada, esta visita tem uma duração de 1 hora e 45 minutos.

  • Complexo bioclimático

A continuação, dirigimo-nos às Casas Bioclimáticas ITER, onde podemos fazer um passeio para ver de perto as casas (desde o exterior, sem entrar em elas). No trajecto, se prestamos atenção, aparte dos omnipresentes aerogeradores, podemos observar um bom número de instalações fotovoltaicas sobre as coberturas dos edifícios e em alguns terrenos.

  • Parque eólico Enercon 5,5 MW

Uma vez finalizada a visita ao ITER, volvemos à parte alta do passeio tecnológico para tomar o caminho que sobe paralelo ao parque eólico. Seguimos pelo caminho interior até chegar a um pequeno ponte que da acesso à estrada de terra. Uma vez na pista, continuamos por ela em sentido ascendente durante um quilómetro.

  • Planta fotovoltaica (SOLTEN)

A pista, que faz de limite norte do Monumento Natural de Montaña Pelada, leva-nos pelos Llanos de Pelada (também chamados do Lomo del Guirre), atravessando umas antigas plantações de tomate, já abandonadas, até chegar à parte alta da planta solar SOLTEN. Vamos para a esquerda e avançamos recto até chegar ao painel que marca a entrada no Monumento Natural de Montaña Pelada.

 

02

parada

Montaña Pelada

  • Ascenso à cratera

No painel de entrada inicia-se o ascenso à cratera por um caminho largo e compacto, com uma inclinação moderada.

  • Caldeira de Pelada

Ao chegar ao topo encontramos ao frente a enorme Caldeira de Pelada. E se damos-nos a volta desfrutaremos de uma boa vista, ao pé da montanha, do parque solar e dos depósitos pumíticos e malpaís do Llano del Guirre, criados pelas erupções das montanhas de Ifara e Los Riscos, que podem-se ver um pouco mais arriba (vejam-se as rotas complementares).

Avançamos para a direita, em direcção El Médano, pelo largo sendeiro que rodeia todo o perímetro da cratera. Na sua parte ocidental chegamos ao seu ponto mais elevado, a Corona Pelada (107 msnm), desde donde temos uma vista panorâmica de esta parte do sul de Tenerife, destacando os marcos da Praia de Pelada, el Médano e a Montaña Roja.

Seguimos pelo sendeiro, em suave descenso, para a parte sul da cratera, para chegar a uma zona lhana e com firme muito compactado, onde nasce uma pequena ribeira que precipita-se suavemente por nossa direita, terminando em uma pequena calheta de areia: a Praia de La Rajita.

Continuando pelo sendeiro, logo cruzamos uma pequena vala que tem algumas zonas delimitadas com um muro de pedra seca, crescendo pelos arredores muita vegetação característica do lugar. Em breve encontraremos uma bifurcação; à esquerda vemos um sendeiro que dirige-se ao interior da caldeira, atravessando-a até a face norte, onde junta-se com o sendeiro principal de acesso.

Nos seguimos de frente, ignorando a bifurcação, até ver outra pequena ribeira que cruza o caminho principal. Seguimos recto, já com a vista na Praia de Cuevas del Trigo e o Porto de Granadilla. E se olhamos atrás, podemos desfrutar da vista do precipício costeiro da montanha, composto de curiosas e agrestes formas vulcânicas formadas pela constante erosão marinha e eólica.

Continuamos pelo sendeiro e encontramo-nos com a panorâmica do tudo o complexo do ITER e seu entorno. Pouco a pouco temos rodeado a totalidade da cratera e empreendemos a baixada e o retorno pelo mesmo caminho pelo qual viemos até o Centro de Visitantes, onde finaliza nossa rota.

03

variantes

Variantes opcionais

Para os excursionistas com vontade de praia, esta rota oferece duas variantes opcionais interessantes:

 

  • Praia de Pelada Ao baixar da cratera da Montaña Pelada e chegar à planta fotovoltaica (pelo mesmo caminho), vamos para a esquerda pela pista e, mais adiante, outra vez à esquerda, um sendeiro que leva-nos até a Praia de Pelada. O retorno ao ITER realiza-se pelo mesmo sendeiro. A longitude aproximada desta variante é de 3,3 km. A altura a salvar em dobro sentido (descendente-ascendente) é de 123 m. O declive máximo é do 35%. 

 

  • Praia de Las Cuevas del Trigo
    Ao baixar da Montanha Pelada, empreendemos o regresso ao ITER pelo mesmo caminho, embora, ao final, avançamos pela pista paralela ao parque eólico até chegar à Praia de Las Cuevas del Trigo. Lá podemos tomar um refrescante banho (tendo precaução com as condições do mar) e um pouco o sol. Reiniciada a marcha, no extremo este da praia, já no nível do mar, encontramos as Cuevas del Trigo e as antigas salinas. Uma vez vistos estes elementos, subimos à pista. Justo desde seu final sai um caminho que, cruzando uma pequena ribeira, leva-nos de regresso ao ITER. Cruzamos o Complexo Bioclimático e chegamos ao Centro de Visitanes, onde finaliza nossa rota.                        

    A longitude aproximada desta variante é de 2 km. A altura a salvar em dobro sentido (descendente-ascendente) é de 48 m. O declive máximo é do 28%. 

voltar às rotas

Acessos: 0